Google+ Followers

quarta-feira, 27 de março de 2013

A paixão de Cristo e o reino da Verdade !



Caros nesta semana comemoramos a semana santa onde refletimos sobre os mistérios centrais de nossa salvação e sobre os eventos que a oportunizaram : a paixão , morte , e ressurreição de Nosso Senhor Jesus Cristo.

Cristo assume a figura do servo sofredor tipificada pelo Profeta Isaías.Em todos os profetas que foram perseguidos e mortos antes de Cristo vemos prefigurada sua paixão.


Logo importa entendermos qual foi exatamente a natureza de sua condenação a morte, da qual muito se fala mas pouco se entende.


É comum dizer que Jesus foi levado a julgamento por dois processos : um político , dirigido a Pilatos , governador romano da Judéia , onde constava a acusação de que ele tinha se feito Rei dos Judeus.Outro religioso dirigido a Caifás , sumo sacerdote e chefe do Sinédrio  naquele ano, tribunal penal religioso ligado a estrutura sacerdotal do Templo de Jerusálem.No processo religioso Cristo era acusado de se fazer o Filho de Deus.

Jesus tinha se declarado Messias e pretendia para si a dignidade real mas de um modo diferente.Reivindicar isso era um delito para a Lex Romana.

Afinal quem de fato desejaria a morte de Jesus ? O Evangelho de João sublinha a atuação da liderança do Templo e da Aristocracia e chama-os de Judeus ( Pois as lideranças na medida em que são autoridades constituídas representam o povo inteiro); Marcos em seu evangelho indica com o termo “Ochlos” que foi a massa quem quis a morte de Cristo.Ou seja autoridades e o povo queriam a morte de Jesus.Todo o povo e todas as autoridades ? Não é claro! Haviam partidários de Jesus no Sinédrio e entre o povo mas estes eram minoria.Daí podemos inferir que o povo judeu se tornou culpado da morte de Deus pelo fato de o pecado das autoridades ter sido  imputado a todo o conjunto do povo judeu.Era assim que Deus agia no AT.Quando sacerdotes e reis pecavam , todo o povo era punido.Alguns dirão que essa linguagem do AT se trata de uma metáfora, mas não é assim.A revelação sempre ensinou que o pecado do povo era sempre reflexo dos pecados de seus guias , de seus líderes.Toda sociedade é reflexo de suas autoridades que são os que dão o tom para as massas.São as elites que dirigem a sociedade e se elas estão corrompidas , corromperão os demais grupos sociais.Assim a culpa da elite judaica da época se estende a todo corpo nacional , a todos os judeus.Não a toa a Tradição Católica classifica-os como deicidas.Há que lembrar das conseqüências coletivas dos pecados individuais.Uma prova do que dizemos é o enfoque do Evangelho de São João.Quando ele foi escrito havia uma dura perseguição do Império Romano aos cristãos.Por que então João adotou um enfoque que culpabilizava sobretudo os judeus e não os romanos ? João tinha motivos para retratar Pilatos como maior culpado em face da perseguição de Roma, mas não o fez preferindo ressaltar no processo de Jesus queos judeus eram de quem falava quando disse que  “aqueles que te entregaram a mim tem maior culpa “; certamente João prefiriu ser fiel aos fatos históricos.

Embora a maior culpa fique com os judeus , Pilatos  não pode ser absolutamente desculpado pelo crime de ter condenado Deus Filho a morte na Cruz.Por quê ?

Em geral há a tendência de apresentar Pilatos como um político pragmático que não quis se envolver com o caso para não por em risco sua relação com Roma e com o Imperador Tibério.A Palestina era um problema geopolítico para o Império; era um local estratégico de ligação entre Ocidente e Oriente , área de rotas comerciais importantes , fundamental para garantir o controle e a defesa do vasto território imperial mas ao mesmo tempo foco de constantes revoltas lideradas por fanáticos que tencionavam restaurar o tempo de Davi e a pureza da religião judaica e da terra de Israel comprometida com a ocupação de um império pagão.

Pilatos interroga Jesus e nesse interrogatório faz a célebre Pergunta : “ Tu és Rei?”.da resposta dada a ela dependia o destino de Jesus.E ele responde “ sim eu o sou mas meu reino não é deste mundo”.Que pensou Pilatos de tal conceito de reino e de realeza ? Jesus liga a sua realeza a VERDADE.Jesus diz que a essência de sua realeza é o testemunho da verdade.

A questão que nasce daí é a seguinte : Pode a política assumir a verdade para a sua estrutura ? Ou deve deixar a verdade restrita ao âmbito pessoal , subjetivo e tentar assim criar a paz e a justiça só com os critérios do poder ?

Hoje em dia dada a dificuldade de se encontrar um consenso sobre a verdade cada vez mais se propõe como caminho político o relativismo e o pragmatismo.No entanto sem a verdade é possível a justiça ? Não é verdade que as grandes ditaduras totalitárias existiram graças a mentira ideológica e que só a verdade traz a libertação ?


São Tomás diz que “ a verdade está no intelecto de Deus em sentido próprio e em primeiro lugar enquanto no intelecto humano está em sentido derivado”( De veritatis , q. 1 , a. 4c).O mundo é verdadeiro na medida em que reflete Deus.O homem se torna verdadeiro quando se conforma a Deus.Deus é a medida do ser.A perdição do mundo consiste em que os homens não decifram a verdade , não reconhecem a verdade o que conduz ao domínio do útil de do cômodo , e deste modo faz do poder dos fortes o deus deste mundo.A realeza de Jesus é o reino da Verdade.


Pilatos será então ameaçado pelos Judeus “ se o soltas não és amigo de César”(Jo 19, 12).A preocupação de Pilatos com a carreira e com o poder foi mais forte que sua convicção de que Jesus era um homem justo.

O processo de Jesus revela então o drama da existência humana no mundo.

 Para entendermos isso preciso é voltarmos nosso atenção para o Mito da Caverna, do Filósofo Platão.

O Mito da Caverna, também conhecido como “Alegoria da Caverna” é uma passagem do livro “A República” do filósofo grego Platão. É mais uma alegoria do que propriamente um mito. É considerada uma das mais importantes alegorias da história da Filosofia. Através desta metáfora é possível conhecer uma importante teoria platônica: como, através do conhecimento, é possível captar a existência do mundo sensível (conhecido através dos sentidos) e do mundo inteligível (conhecido somente através da razão). O mito fala sobre prisioneiros (desde o nascimento) que vivem presos em correntes numa caverna e que passam todo tempo olhando para a parede do fundo que é iluminada pela luz gerada por uma fogueira. Nesta parede são projetadas sombras de estátuas representando pessoas, animais, plantas e objetos, mostrando cenas e situações do dia-a-dia. Os prisioneiros ficam dando nomes às imagens (sombras), analisando e julgando as situações.Imaginemos que um dos prisioneiros fosse forçado a sair das correntes para poder explorar o interior da caverna e o mundo externo. Entraria em contato com a realidade e perceberia que passou a vida toda analisando e julgando apenas imagens projetadas por estátuas. Ao sair da caverna e entrar em contato com o mundo real ficaria encantado com os seres de verdade, com a natureza, com os animais e etc. Voltaria para a caverna para passar todo conhecimento adquirido fora da caverna para seus colegas ainda presos. Porém, seria ridicularizado ao contar tudo o que viu e sentiu, pois seus colegas só conseguem acreditar na realidade que enxergam na parede iluminada da caverna. Os prisioneiros vão o chamar de louco, ameaçando-o de morte caso não pare de falar daquelas idéias consideradas absurdas.

Os seres humanos tem uma visão distorcida da realidade. No mito, os prisioneiros somos nós que enxergamos e acreditamos apenas em imagens criadas pela cultura, conceitos e informações que recebemos durante a vida. A caverna simboliza o mundo,no seu estado de desordem, mentira e pecado,  pois nos apresenta imagens que não representam a realidade. Só é possível conhecer a realidade, quando nos libertamos destas influências culturais e sociais, ou seja, quando saímos da caverna.O sol que ilumina o mundo externo é símbolo do Bem que para Platão é o Deus supremo.Este bem é a verdade que ilumina e liberta das trevas.A verdadeira realidade não é a aparência do mundo mas Deus mesmo.

Platão ao falar de um homem que se livra da caverna e volta para esclarecer seus amigos usa uma alegoria para falar de Sócrates que foi condenado a morte em Atenas por causa da filosofia ou seja de seu amor a verdade.Sócrates acusa os líderes de Atenas de não governarem segundo a verdade ; será isso o que irá motivar seu assassinato.Sócrates é um tipo de Cristo , uma prefiguração do messias que vindo  a este mundo de trevas o ilumina com a verdade.


O mesmo que se deu com Sócrates se dá com Cristo ; ele ao acusar as autoridades de seu tempo irá atrair para si a ira delas.Cristo as acusa de distorcer a lei de Deus , de hipocrisia , de exploração dos fiéis , de terem transformado o templo em covil de ladrões.

Uma tal acusação só poderia atrair para Cristo o ódio.E nela está expresso o ódio a verdade que é marca do homem desde sua queda no paraíso.O homem ao escolher a si odiou a Deus que é a verdade e se tornou filho do Pai da Mentira que é Satanás.

O processo de Jesus é a narrativa da luta entre o reino de Deus e o Reino do Diabo, entre a cidade de Deus e a cidade dos Homens , entre e Jerusalém celeste e a Babilônia , cidade que representa o orgulho e o pecado dos homens.

No fim em Pilatos venceu a interpretação prática do direito: mais importante que a verdade , para Pilatos era importante a “pacificação”.A não condenação de Jesus podia prejudicá-lo e também provocar revoltas e desordens que era preciso evitar.

Para Pilatos a paz foi mais importante que a justiça.Naquela hora Jerusalém tranqüilizou-se.Mas no decorrer da história o fato de que a paz não pode ser estabelecida contra a verdade iria manifestar-se.

Tal drama prova a ilegitimidade das tentativas atuais do clero católico , através de ecumenismos , diálogos interreligiosos e colaboração com os poderes deste mundo aceitando princípios como laicidade , separação estado – igreja , liberdade religiosa , de estabelecer uma paz civil , uma convivência pacífica entre diferentes culturas e credos , sem a verdade.Isso nos lembra o escândalo dos Encontros de Assis onde ao invés de gritar em bom e alto som que só NOSSO SENHOR JESUS CRISTO é a verdade, entregaram igrejas e templos católicos para que pagãos adorassem falsos deuses tudo com a aprovação das altas autoridades católicas.Não há paz fora da realeza de Cristo , a paz sem a verdade é calmaria momentânea , aparência de tranqüilidade.

Que a Paixão de Cristo nos faça tomar consciência da necessidade de lutar contra a Nova Ordem Mundial que quer fundir todas as religiões dentro de um ideal ecológico , pacifista e ecumênico onde a verdade que é Cristo será relegada a segundo plano.Resistamos também ao projeto de demolição da verdade dentro da Igreja onde clérigos impõem a agenda do relativismo.

Uma santa semana santa para todos!!

sexta-feira, 22 de março de 2013

Por que uma Igreja dos pobres é absurda?

Papa PIO XII em suas vestes faustosas indicando bem o poder divino do Sumo Pontificado.



















"É evidente que a fé da Igreja dos pobres é uma fé sem credo nem conteúdo.Significa simplesmente a presença reveladora de Deus nos atos libertadores"-Dom Boaventura Kloppenburg.Igreja Popular, p. 164.

Recentemente a eleição do Cardeal Bergoglio ao Papado com o nome de Papa Francisco reacendeu a discussão sobre a "Igreja dos pobres".O Pontífice reiterou que quer uma "Igreja pobre para os pobres".Como católicos aderimos de todo coração e mente ao Papa como supremo mestre da cristandade.O Papa quando ensina em termos de fé e moral , nas condições devidas , é infalível.Porém nem sempre o é quando adota esta ou aquela linha de pastoral ou de ação , sobretudo quando ela se afasta dos princípios repetidos ininterruptamente pelo Magistério.O poder do Papa é tão divino que o que um Papa ligou outro não pode desligar.E em nome disso é que nos posicionamos contra esta noção de Igreja dos pobres , dada a sua insuficiência teológica e por representar um desvio em relação a Tradição Bimilenar da fé.Nada mais absurdo que uma Igreja dos pobres.Afirmar isso é dizer que a Igreja é um partido!!

São Paulo Apostolo deixa claro que a Igreja de Cristo não é um partido :" Não há judeu nem grego; não há escravo nem livre; não há homem e mulher, porque todos sois um só em Cristo Jesus. (Gl 3, 27-28)".Logo nem pobres nem ricos mas todos igualmente membros do Corpo de Cristo.Essa á base real da caridade e fraternidade cristã.Quem pretenda falar em nome de uma Igreja dos pobres fala em referência a uma parte do corpo e não de todo o corpo.Logo o divide.

.Muitos diriam que falar de Igreja pobre e dos pobres é referência a São Francisco de Assis , mas é fato que em nenhum dos escritos franciscanos se encontram tais expressões ou categorias teológicas.Ainda que a pobreza franciscana tenha seu valor e sentido dentro da espiritualidade católica, Eric Voegelin já dizia que dentro do ideal de pobreza franciscana haviam elementos que podiam , perdendo o equílibrio , resultar em revolucão social :

"Em qualquer caso, o ideal de pobreza,juntamente com outros conselhos evangélicos, estava destinado a ser o símbolo da revolução...São Francisco alargou o nosso mundo mas a sua tónica na nova dimensão negligenciou outras dimensões. Traz a irrupção de novas forças intramundanas; não traz asíntese; a espiritualização da natureza é um naturalismo.A fórmula da vida em conformidade com Cristo é conformidade com o sofrimento de Cristo, não comCristo-rei em sua glória.São Francisco criou o símbolo do Cristo intramundano que absorve a parcela pessoal do salvador que se conforma com os humildes e sofredores. Mas o Cristo dos pobres não é o Cristo da hierarquia sacerdotal e régia, nem a cabeça do corpo místico de Cristo e da humanidade. A evocação de São Francisco desestabiliza o compromisso com o mundo, característico do período imperial ocidental e a diferenciação dos homens e oestabelecimento das duas ordens como funções do corpo místico. O mundo rompe-se quando Cristo deixa de ser acabeça do corpo diferenciado da cristandade e se torna o símbolo de uma sua parte. "-Eric Voegelin , in estudos de ideias políticas.

Uma das maiores patifarias atuais é que criaram o mito de um São Francisco de Assis como um espírito anarquista - hippie, amigo dos animais, precursor da Reforma protestante e das revoluções sociais. Um São Francisco critico da clericalização da Igreja , não muito a vontade com o poder do Papado , um filho de burgueses que adere a um ideal revolucionário.Tudo mentira , tudo farsa, patrocinada nesses últimos dias desde a eleição do Papa pelo instituto humanista Unisinos , por vaticanistas liberais , por bispos pró TL , enfim por toda a laia de demônios que hoje habitam a Igreja de Deus para espalhar nela a fumaça de satanás.

Hoje ninguém consegue nada se não for "sensível aos problemas sociais".Servir ao social, ter sensibilidade social é o mandamento de nosso tempo.Aos poucos vão lançando no lixo os dez mandamentos da Lei de Deus para por em seu lugar a liberdade , a igualdade , a luta pelos pobres , o cotismo , o coletivismo , o estatismo , o internacionalismo , o globalismo...quem não entrar na dança vira um perigoso fora da lei, um não homem , um monstro , um fascista insensível ao clamor das massas.Inclusive o que "prova" se alguem ama a Deus para a mentalidade de hoje é o "amor aos pobres".Aquilo que Dietrich Boenhoffer , teólogo luterano ,que  havia defendido um "cristianismo ateu" onde o homem fosse o centro da ação cristã , já está aí.A essência do cristianismo está sendo atacada por esse pobrismo social.O cristianismo não veio para resolver os problemas da terra mas para levar o homem para o céu.

 O politicamente correto invadiu tudo até ambinetes eclesiais católicos.Hoje católicos que vissem Jesus expulsar a chicotadas os vendilhões do templo ou maldizer os fariseus ficariam chocados.Tudo sempre é lindo , tudo é sempre rosa.Experimenta dizer que é cinza para ver ? Te massacram moralmente , te patrulham...ainda mais se você tiver fatos que comprovem que a cor é cinza.Assim fizeram com os profetas: eles anunciavam desgraças , mostravam o pecado do povo e a ira próxima de Deus, e por isso , o povo que não suportava ouvir verdades os matavam.Já os falsos profetas pintavam a situação de rosa e todos os bajulavam.Hoje os profetas da desgraça não tem mais lugar por que já não se acredita mais no pecado nem no juízo só no progresso ininterrupto da humanidade mesmo que os sinais digam o contrário.

E os sinais presentes neste novo pontificado são assustadores.O nome Francisco para o Papa já vinha sendo defendido pela ala progressista antes do conclave.Vejam que ao defender o nome do Papa defendem também um programa : "Deponho esta férula de prata: como diz Marcos, não levem para a viagem nada mais do que um bastão. Deponho este chapéu anacrônico: mais do que um pastor, ele me mostra como um sátrapa oriental". Ele se desfolha como uma cebola: do anel de zafira, da cruz de ouro maciço, dos paramentos "luxuosos que deveriam render glória a Deus e se tornam ofensa para os pobres"http://www.ihu.unisinos.br/noticias/518273-a-hora-impossivel-de-um-papa-francisco-i

Ou seja o que estão defendendo é pura e simplesmente uma Igreja Socialista !!!!

Sabemos da assistência divina ao Papa , mas sabemos também que sua santidade Francisco I pode dar um tom diferente daquele que teve o Pontificado de Bento XVI mais ocupado com a reforma liturgica e com a doutrina e também de abertura a tradição e a missa tradicional depois de décadas de imcompreensão.Bento XVI tinha claro a crise de fé e a necessidade de curar esta crise.Isso vai continuar ?

Minha preocupação é com o que virá.Dias atrás no Entre Aspas da Globo News um padre jesuíta dava graças a Deus pelo fim da era Bento XVI e por um papa simpático !

Preocupa também o que vejo vir da ala mais progressista da Igreja. Hans Kung chegou a dizer o seguinte sobre o Papa Francisco: " é também um latino-americano de mente aberta.Francisco de Assis foi a alternativa ao programa da Igreja vista e vivida como poder. Foi a antítese do maior e mais importante papa de poder da Idade Média, Inocêncio III, que encarnava a Igreja do poder: Francisco viveu e testemunhou a Igreja das pessoas simples, dos pobres, dos modestos. Eu só espero que Francisco possa realmente realizar na Igreja e na relação entre a Igreja e o mundo tudo o que certamente ele se propõe a fazer... ele não é o candidato da Cúria candidato das vozes progressistas da Igreja, incluindo os progressistas entre os cardeais alemães."

Espero que o Papa siga as diretrizes do ultimo pontificado sem ceder as exigências da ala liberal.

Porém não é o que estamos assistindo nos primeiros atos desse pontificado: ocorre uma deposição dos símbolos litúrgicos que vinham sendo resgatados por Bento XVI. O fim dos símbolos é o abandono da realidade , é a negação implícita da ontologia e a afirmação do subjetivismo e humanismo.É a redução da missa católica ao gosto e sensibilidade do homem moderno.

Para terminar fica a advertência de Dom Manuel Pestana:

"Creio que já ultrapassamos os limites do tolerável. Não é apenas a fumaça de Satanás que entrou na Igreja, por alguma fenda oculta, como lamentava o Santo Padre Paulo VI: é, transpondo triunfalmente os portões, o diabo inteiro, presente nos mais altos postos, através de seus fiéis seguidores... TUDO ISSO claramente indica que o caminho que estamos seguindo não leva a Jerusalém nem muito menos a Roma: vai direto a Sodoma e Gomorra, que já não estão muito longe."-Dom Manoel Pestana , falecido Bispo de Anápolis. 


Rezemos pelo Papa para que siga não a si mesmo nem tampouco os liberais mas a Jesus Cristo e sua Igreja.
  

terça-feira, 12 de março de 2013

Judaísmo : o inimigo da civilização católica !


Os judeus são inimigos naturais da Cristandade.Eles rejeitam Cristo negando que ele seja o Messias.Estão portanto a espera de um salvador.Por isso receberão de braços abertos o Anticristo e trabalharão por ele.

















  Dando uma analisada nas mais diversas e importantes heresias que atacaram a doutrina católica nos dois mil anos de Igreja vemos o seguinte  :

 1- Gnosticismo : influencia judaica ;

 2-Arianismo : influencia judaica ;

 3-Movimento Iconoclasta : influencia judaica;

 4-Protestantismo : influencia judaica ;

 5-Maçonaria : influencia judaica ; 

6-liberalismo : influencia judaica; 

7-comunismo : influencia judaica;

 8-laicismo : influencia judaica ;

 9-americanismo : influencia judaica.

Quase todas as heresias que a Igreja Católica enfrentou na história são filhas diretas ou indiretas dos judeus....será coincidência apenas ???

Vejamos.Não há qualquer dúvida que, desde os tempos do retorno do exílio de Babilônia, especialmente após a invasão grega da Palestina, difundiram-se entre os escribas, doutores da Lei e Rabinos idéias orientais que constituíram a origem do gnosticismo.Há historiadores inclusive que admitem que antes mesmo do exílio já havia entre os hebreus uma religião esotérica baseada na idéia de que a escritura tinha uma interpretação externa -pública e outra dirigida a iniciados.É importante salientar também ser tese, aceita entre os estudiosos da questão, que essas idéias gnósticas e esotéricas existiam, entre os rabinos fariseus, nos tempos de Cristo e que elas influenciaram as seitas gnósticas cristãs dos dois primeiros séculos de nossa era.

Há diversos historiadores que ,sem negar influências posteriores a gnose, são categóricos ao dizer que foi entre os judeus que ela nasceu.

Por que nossa insistência na gnose ? Por que ela embora não tenha a sido a base exclusiva de todas as heresias  foi a da maior parte delas.Eric Voegelin afirma que a os movimentos políticos modernos ( liberalismo , americanismo , comunismo , etc) são filhos do gnosticismo.

Entendendo a ligação entre gnose e judaísmo fica claro que existe também uma conexão entre os judeus e as conspirações e movimentos que ao longa da história seja fora ou dentro da Igreja Católica trabalharam ou trabalham pela sua destruição ou transformação. 

Nos séculos 18-19 os judeus estiveram diretamente ligados aos movimentos de revolução liberal e social que visavam quebrar a autoridade da Igreja.A elite intelectual judaica via um elo entre o racionalismo judaico e as revoluções liberalizantes e a filosofia alemã ( o idealismo alemão de Kant , Hegel , de inspiração antimetafísica , imanentista e no caso de Hegel panteísta- esse idealismo foi a base do modernismo , heresia condenada por São PIO X na Pascendi em 1907).Tais judeus constumavam ver no idealismo alemão a solução para todos os problemas humanos e sociais.Hermann Cohen (1842-1918) , professor judeu , afirmava que a religião judaica foi a precursora da religião da razão( leia-se doutrina maçônica ) inaugurada pelos pensadores iluministas.Cabe lembrar que Essa religião da razão criou uma nova visão sobre Cristo : Jesus seria apenas um filósofo ético, um humanista , e o cristianismo apenas um conjunto de valores morais e não uma religião dogmática.O cristianismo nesse visão seria apenas uma doutrina da liberdade e da igualdade entre os homens.

EUA e GRÃ BRETANHA , representam os interesses judaicos

A elite judaica no século 19 irá trabalhar para transpor tais máximas pseudo-filosóficas para o campo social e político.Um desses esforços será identificar esse fundo ético liberal e igualitário com a civilização americana ( EUA ).E identificando isso aos EUA identificar isso ao cristianismo.Logo depois caberia extrair daí a conclusão de que o Catolicismo Romano ,por ser contrario as liberdades e igualdades modernas , representa a máxima corrupção da doutrina de Cristo.

Um dos impactos internos dessa ideologia judaico-protestante norte americana( Os judeus encontraram nos EUA do século 19 amplo espaço para imigrar e explorar a terra e as oportunidades de negócios no país, movimentado pela industrialização pós guerra de secessão e pela expansão para o Oeste, constituindo uma verdadeira simbiose com a sociedade protestante local ; gozavam de ampla liberdade de culto e pensamento dado o laicismo da consituição americana que dava total direito de existência as mais variadas seitas protestantes que fervilhavam no país.) foi o nascimento no seio católico dos EUA do americanismo.

A carta apostólica Testem benevolentiae denunciava os principais erros do americanismo, que se sintetizam na presumida necessidade de:
a - adaptar a Igreja às exigências da civilização moderna, sacrificando um ou outro cânon antigo, mitigando a antiga severidade, orientando-se em direção a um modo de agir mais democrático;

b - dar mais amplidão à liberdade individual no pensamento e na ação, levando em conta que é o Espírito Santo, mais do que a organização hierárquica, quem opera diretamente na consciência do indivíduo (influxo do protestantismo):

c - abandonar, sem preocupar-se mais com elas, as virtudes passivas (mortificação, penitências, obediência, contemplação), cultivando as virtudes ativas (ação, apostolado, organização), o que levaria a favorecer, entre as congregações religiosas, as de vida ativa. 
O termo “catolicismo americano” ou ”americanismo” não era rótulo de um cisma ou de uma heresia, era, como ensinava Mons. Delassus, ”um conjunto de tendências doutrinais e práticas que têm sua sede na América e que se difundem a partir dali por todo o mundo cristão, especialmente pela Europa”  com o objetivo de debilitar, e se possível, aniquilar as nações católicas” dando hegemonia às protestantes, como América, Alemanha e Grã-Bretanha” . Um dos ”elementos distintivos da “missão americana” é o retorno à unidade de todas as religiões através da destruição das barreiras e das diferenças, chegando até à celebração de um congresso com o seguinte tema: a tolerância internacional das religiões para a luta unida contra o ateísmo” . O indiferentismo ou tolerância por princípio (isto é, tolerância dogmática) para o qual tende o americanismo consiste em equiparar “todas as religiões como igualmente boas” 
O interesse dos judeus em tudo isso é claro : numa época em que os Papas lutavam contra as liberdades modernas que amaeçavam destruir a civilização católica retirando da Igreja o sadio influxo cultural sobre a direção da sociedade  para Deus e sua Lei Eterna , era importante para os judeus defenderem com unhas e dentes um regime - como o americano- que lhes daria amplo espaço para impor suas ideias anticatólicas e para se tornarem uma elite social ,econômica e política que era-lhes impossível em um regime católico onde eram presas de várias proibições e onde lhes era exigida a conversão para que gozassem de amplos direitos.
O papel dos judeus em destruir os elementos da tradição católica do ocidente foi muito além da política.Eles também atentaram contra a tradição musical para , por meio dela impor novas mentalidades e costumes.Em fins do século 19 os judeus estiveram por trás de inovações na música que prepararam o terreno para a degradação musical do século 20 e 21.Na Áustria e na Alemanha a ação de compositores judeus provocou mudanças gerais seja na ordem interna do estilo musical seja na relação entre compositor e público que se tornou patológica( isso deu origem as explosões histéricas de fãs na sua relação com o  músico- o que fica patente nos shows de rock e pop rock atuais).Mahler , musicista judeu , nomeado para a direção da ópera da corte de Viena em 1897, por conta de sua mentalidade antitradicional em música teve que se refugiar em Nova Iorque( capital dos judeus financistas) dez anos depois.Shonberg seu discípulo em 1909 , no seu Opus 11 número 1 , executado em Viena ele dispensou completamente a tonalidade tradicional da musica clássica.Leon Baskt , outro musico judeu , injetou nos Ballets a sensualidade , rompendo tabus.Em 1910 ele criou Scheherazade , o maior sucesso dos Ballets Russos , com um harém de belas mulheres entregando-se a uma orgia de sexo a homens negros e musculosos, terminando num banho de sangue e de vingança( Os ballets de Baskt lembram os contos do Marques de Sade ).Esse foi o maior choque cultural daquele período.Os principais artistas judeus do início do século 20 eram modernistas e buscavam derrubar os padrões classicos e religiosos da civilização ocidental.
Enquanto iniciava-se em Roma o concílio Vaticano l em 29 de junho de 1869, celebrava-se em Leipzig um concílio judaico para afirmar que “a realização dos princípios da modernidade é a maior garantia para o presente e o futuro do judaísmo”.
É certo que os judeus estavam em fins do século 19 e início do 20 tencionando atacar o legado cultural católico.E isso terá terríveis consequencias para nosso tempo;uma clara amostra da rendição católico -romana, mesmo que pequena e muito limitada, é usar a expressão civilização " judaico-cristã ".Não existe uma civilização judaico- cristã mas uma civilização moderna amplamente moldada pelo judaísmo que vai perdendo a cada dia mais sua substância cristã.
 O Cristianismo é a superação do judaísmo não sua continuidade.Esse negócio de cultura Judaico - Cristã é uma armadilha mental criada nos EUA do século 19 , obra de maçons interessados em destruir a substancia do dogma cristão no Ocidente.Os americanistas acreditavam numa sociedade plural onde a fé cristã não teria influência publica mas sobreviveria apenas sua moralidade natural como base da sociedade democrática.Em suma os americanistas viam Jesus apenas como um filósofo moral e sua doutrina apenas como uma moral natural eficaz para influenciar a sociedade na busca do progresso e da prosperidade pública.Isso são os EUA : um dos modelos do regime futuro do Anticristo , ou seja , nos Eua vive a ideia de um messianismo humano do progresso, o homem redimindo a si mesmo pelos esforços econômicos, e Cristo apenas como imagem desse ideal de perfeição natural do homem.O Anticristo é aquele que buscará realizar sociologicamente a salvação do homem.Outra faceta do futuro regime do Anticristo é o comunismo( outra obra de judeus ) como redenção do homem pela política.A forma futura desse regime procurará reunir em si as utopias econômicas e políticas numa fusão das forças comunistas e liberais contra o que restou da cristandade.E nesse processo EUA e Rússia terão papel cabal.E os judeus idem.

Voltaremos ao assunto!