Google+ Followers

quinta-feira, 27 de novembro de 2014

As raízes judias do Islã!!




" O islã foi originalmente um movimento heterodoxo no interior do judaísmo...segundo fontes árabes, cerca de vinte tribos em Medida -- cidade que acolheu o apelo de Maomé da sujeição a Alá -   e em volta de Medina eram judias...esas tribos estabelecidas em oásis entregavam-se tanto ao comércio quanto ao pastoreio, e o islã, desde o início foi uma religião semi-urbana de comerciantes, mais do que uma religião do deserto. Mas, o deserto era importante pois judeus que viviam em suas bordas, ou que ali se instalavam para escapar à corrupção da cidade, tais como os nazireus, sempre haviam praticado uma forma mais rigorosa de judaísmo...foi isso que atraiu Maomé. A influência do cristianismo, que não teria sido estritamente monoteísta a seus olhos, foi muito ligeira...o que ele parece ter desejado fazer foi ...dar aos árabes o monoteísmo ético judeu numa língua que podiam compreender e em termos que lhes eram adaptados...o desenvolvimento por Maomé de uma religião separada começou quando ele compreendeu que os judeus de Medina não estavam dispostos a aceitar a sua versão árabe do judaísmo"...(Jhonson, Paul. História dos judeus. Ed. Imago. Rio de Janeiro, 1995. P. 175-176.).

"A sua visão - de Maomé -  não podia ser um logro, pensava Khadija - esposa judia de Maomé -  que foi se aconselhar a respeito dela com um parente, próselito judeu, e conhecido pela simpatia que mantinha pelos hanifs"(Azzedine Guellouz , Andre Miguel e Dominique Chevalier. Les Arabes, L´Islam et L´Europe. Flamarion, 1991.).

"judeus receberam Maomé e seus seguidores com honras em Medina. Tribos judias uniram-se em torno dele depois que os coraixitas de Meca exigiram uma espécie de extradição"(Blacheré, R., Introduction au Coran, Maissouneneuve et Larose, 1991).

"O exilado encontrou, entre as tribos judias de Medina, uma audiência que ultrapassava o círculo dos convertidos em virtude de expectativas messiânicas"( In : P. Crone e M. Hinds, God´s Caliph, Cambridge, 1986)

"O apoio religioso e econômico dos judeus deu a Maomé meios para promover e constituir sua liderança em Medina; só quando as pretensões de Maomé foram além da Torah é que a articulação com os judeus se rompeu; o sinal dessa ruptura é a mudança da direção para onde se voltava a comunidade durante a prece: de Jerusalém para Meca."( Hanna Zakarias. L´Islam, enterprise juive de Moisé a Mohammed, Cahors, 1960)

" A exegese muçulmana do Corão é herdeira das tradições rabínicas com as quais Maomé teve contato na fase medinense, onde o Islã se corporificou"(I. Goldziber. Vorlesungen uber den Islam, Heildelberg, 1910).

"Em relação a fugura de Cristo é provável que Maomé - graças a sua proximidade de círculos rabínicos- tenha se valido do ensino do Rabi Eliezer que não via heresia formal em seu ensino e considerava que o nazareno teria lugar no mundo vindouro"(I. Goldziber. Muhammedanisch Studien, Halle, 1980)

"A lei islâmica funciona tendo como base uma infraestrutura de origem judaica"(P. Crone. Cambridge, 1987)

"Antes da chegada de Maomé os árabes estavam fascinados pelos judeus e invejavam sua revelação na própria lingua."( Paolo Branca. Los musulmanes, Historia Alianza Editorial, 2000)

domingo, 16 de novembro de 2014

Missa Rock na Catedral: mais um fruto do Concílio Vaticano II !


O título é esse mesmo: missa roqueira, definição do sacerdote espanhol Joan Enric Reverté, mais conhecido como Padre Jony. A cerimônia foi celebrada na semana passada em homenagem a padroeira da cidade de Tortosa, a Nossa Senhora da Consolação, ou Virgem da Cinta.

Acompanhado por guitarras e baixos elétricos, bateria, teclado, iluminação colorida e vídeos, o sacerdote vocalista cantou no altar suas versões roqueiras de clássicos do cancioneiro católico, como O Pescador de Homens.(https://www.youtube.com/watch?v=Q5VFC_TDkYM)

Para conseguir autorização da diocese de Tarragona (responsável pela catedral de Tortosa) para realizar sua liturgia heterodoxa, Padre Jony reconheceu que passou por dificuldades e teve que esconder vários detalhes da missa roqueira até a última hora.

"Tinha que ocultar as surpresas até o último momento para evitar outras. Eu entendo e aceito que muita gente não compreenda, nem goste deste tipo de iniciativas, mas estou muito consciente do que fazendo".

Apesar do sucesso da celebração litúrgica, o sacerdote espanhol duvida que possa haver outra missa roqueira em uma catedral.

"Acho muito difícil que se repita, porque foi uma circunstância especial, uma comemoração de um centenário da Corte de Honra à Virgem. E com a repercussão que teve, não acredito que deixem fazer isso de novo."

Ele, disse, entretanto, que é possível que haja celebrações semelhantes em outras igrejas.

"Já há pedidos. Há gente esperando algo assim, com mentes abertas e que querem ouvir mensagens de fé de uma outra forma dentro da igreja católica."

Apesar da estética e linguagem modernas, a missa roqueira teve os elementos litúrgicos de uma celebração religiosa habitual.

O sermão foi uma declaração de fé na Virgem Maria, no qual o Padre Jony alertou os jovens fiéis sobre o perigo do consumo de drogas e álcool e a falta de compromisso social com os mais carentes.

O sacerdote já tem um livro (em castelhano: Notas de un cura roquero ou, em tradução livre, Notas de um padre roqueiro) e dois discos, cuja arrecadação é destinada a obras sociais.

Padre Jony também já celebrou eventos religiosos em espaço aberto na Espanha e em outros países da América Latina. O maior deles, na Guatemala, reuniu cerca de três mil fiéis.


AGORA TENTE CONSEGUIR AUTORIZAÇÃO PARA CELBRAR UMA MISSA TRADICIONAL EM UMA CATEDRAL PARA VER O QUE ACONTECE! O CLERO ATUAL ESTÁ, COM RARAS EXCEÇÕES VENDIDO. 

QUE DEUS SE APIEDE DOS VERDADEIROS CATÓLICOS E DÊ UM BASTA NISSO O MAIS RÁPIDO POSSÍVEL. 


sábado, 15 de novembro de 2014

Drogas no Ocidente: a culpa - escamoteada - dos EUA!

Ahmed Rashid

É comum ouvir nos círculos olávicos e da neodireita tupiniquim neoconservadora( que no fundo quer conservar o liberalismo e suas conquistas - configuradas na revolução inglesa e americana - que são a segunda etapa do processo da revolução que acomete o ocidente e o mundo desde o século 15-16, cujo fim é a destruição da ordem sobrenatural-cristã e da ordem natural-moral) que a Rússia é a grande culpada pela extensão do tráfico de drogas no ocidente com o claro fim de jogar lama apenas num dos lados da revolução que citamos acima, escondendo os crimes do outro lado da mesma, o lado direito dela, que tem nos EUA seu bastião.

Porém os fatos são outros: o jornalista paquistanês Ahmed Rashid relata como a CIA apoiou os extremistas islâmicos que cultivavam ópio no Afeganistão. Logo se temos atulamente um tráfico de heroína em escala mundial devemos "agradecer" aos EUA. 

Ahmed Rashid estuda o Afeganistão há mais de duas décadas. O jornalista paquistanês estava em Cabul em 1979 quando os soviéticos invadiram a capital afegã. Rashid também foi o único jornalista a ter acesso aos líderes do Taleban e seus esconderijos. O autor do livro Taliban – Islam, oil and the new great game in Central Asia fala, nesta obra, sobre como os EUA e a CIA apoiaram Talibã e deram liberdade para que o mesmo produzisse drogas: 

"Nos anos 80, ainda durante a guerra fria, os mujahedin (guerrilheiros islâmicos) tinham apoio dos americanos, que incentivavam milhares de não-muçulmanos e muçulmanos a vir ao Afeganistão para lutar contra os soviéticos. E, entre eles, estava o saudita Osama Bin Laden, que tinha uma ligação muito próxima com a CIA. Muitos desses guerrilheiros árabes que lutaram contra as tropas soviéticas foram treinados e armados pela CIA...Os americanos apoiaram o Taleban, quando essa milícia estava na oposição, entre 1994 e 1996, porque queriam usar a organização na sua política anti-Irã. Além disso, os dois aliados americanos na região, o Paquistão e a Arábia Saudita davam suporte militar  àquele grupo fundamentalista. Outra razão para que o governo americano apoiasse o Taleban foi  porque os EUA queriam uma rota que transportasse óleo e gás da Ásia Central para a região do  Paquistão. E o caminho mais curto passaria pelo Afeganistão. Em vez de buscar ajuda dos países vizinhos para prover segurança aos oleodutos, o Taleban passou a abrigar extremistas islâmicos de várias nacionalidades. Foi quando Osama Bin Laden chegou ao Afeganistão e, a partir daí, passou a haver uma enorme preocupação dos americanos com esse fato. No final, os tais oleodutos nunca foram construídos... A produção de ópio começou no Afeganistão nos anos 80, durante a ocupação soviética. A droga financiou grande parte da guerra contra Moscou e por isso Washington fez vista grossa. "