Google+ Followers

quarta-feira, 3 de maio de 2017

Suposto ataque muçulmano em SP e a histeria da nova direita: mais uma armação do globalismo.





Direita SP: mais um órgão a serviço do americanismo e globalismo no Brasil. 




Nós assistimos, ultimamente, a uma onda neodireitista no Brasil que copia cacoetes e temas recorrentes na direita americana. Um destes temas é o do "perigo muçulmano" enquanto faz vista grossa aos autênticos problemas brasileiros. O sonho da nova direita é emplacar, no Brasil, o mesmo tom ideológico das discussões políticas dos EUA. Enquanto a nova esquerda cultural faz seu trabalho trazendo para cá as lutas de liberação feminina e antiracismo - ou seja os mesmos temas da esquerda americana  - acusando nossa cultura nacional de ser machista e racista - a nova direita completa o serviço criando, em nossas terras, o avesso ideológico disso, buscando nos convencer que estamos à beira de uma onda de invasão islâmica. 

O mote para provocar tal histeria coletiva vem sendo a nova lei de imigração no Brasil de autoria de Aloysio Nunes, senador pelo PSDB de SP. Embora o projeto já tramite desde 2015, só agora é que a nova direita resolveu focar de forma mais incisiva sobre o assunto. 

O motivo que a nova direita encontrou para levar a cabo tal projeto é um suposto atentado terrorista que teria ocorrido em SP, no dia 02/05/2017, durante uma manifestação do grupo "Direita São Paulo", um grupo anti-imigração. 

Primeiro falemos sobre o suposto atentado. 

Antes de mais nada devemos definir o que é terrorismo: " Terrorismo é o uso de violência, física ou psicológica, através de ataques localizados a elementos ou instalações de um governo ou da população governada, de modo a incutir medo, pânico e, assim, obter efeitos psicológicos que ultrapassem largamente o círculo das vítimas, incluindo, antes, o resto da população do território ( HOFFMAN, Bruce. Inside terrorism 2006, p. 16)".

Definido o que é terrorismo temos aqui o relato dos fatos ocorridos no suposto atentado: http://www1.folha.uol.com.br/poder/2017/05/1880596-lider-do-palestina-para-tods-e-preso-apos-confronto-com-direita-anti-imigracao.shtml

A Folha online mostra, em sua matéria, como pode ser conferido acessando o link; 

1- Que a PM deteve dois palestinos numa briga havida entre eles e o grupo Direita São Paulo

2- Que Zarif, dono de um bar no Bixiga, milita pela causa palestina, ou seja, pela causa da fundação de um estado palestino. A causa palestina envolve a idéia da criação de um estado nacional na Palestina que abrigue a população dos refugiados em decorrência das guerras de conquista de Israel, que, desde os anos 40,  obrigou-os a se deslocarem para Gaza e outras áreas. Ora, entre os refugiados palestinenses há cristãos também. Zarif não milita pela criação de um estado islâmico na Palestina mas por um estado em moldes ocidentais, um estado-nação.   

3- Segundo o grupo Direita São Paulo a agressão partiu dos palestinos mas Nur, amigo palestino de Zarif, apresentava escoriações e ferimentos. 

4- O grupo Direita São Paulo admite que houve trocas de socos e chutes entre os dois lados o que ficou comprovado por um vídeo lançado pelo grupo na internet. 

5- André Petros, líder do grupo, é filho de imigrantes: mãe boliviana e pai grego, mas é anti-imigração de muçulmanos. Segundo Petros, o problema é só um: o fundamentalismo islâmico. 

6- Para Edson Salomão o problema, na verdade, é que os palestinos seriam " Anti-Israel". 


O grupo alega que uma bomba teria sido lançada sobre eles e que um integrante do Direita SP teria se machucado. Mas o vídeo que lançaram na internet não permite muitas conclusões sobre o culpado pelo lançamento: https://www.facebook.com/direitasaopaulo/videos/1162667133837951/?hc_location=ufi

O grupo " Direita São Paulo" está articulado à figuras tarimbadas da nova direita brasileira, como Luiz Philippe de Orleans e Bragança, da dinastia dos Bragança, amigo de liberais e maçons, Bia Kicis, Olavo, etc. O sr. Edson Salomão é protestante e está articulado à família Bolsonaro que, recentemente, teve seu patriarca - o Deputado Jair Bolsonaro - convertido a heresia protestante. 














Pelo que a matéria da Folha expõe, não é possível dizer que houve ataque terrorista: não há provas de que Zarif faça parte de um grupo que articule ataques para desestabilizar um governo ou criar terror psíquico sobre a população como um todo, indo alem dos círculos das vítimas, como bem define Hoffman quando trata da natureza do terrorismo. De modo que fica evidente que o discurso do Direita SP não passa de tentativa de impor uma agenda ao Brasil. Que agenda é esta? 

É a seguinte: nos idos de 2001, G. W. Bush, presidente dos EUA, usou o impacto do ataque às torres gêmeas para justificar não apenas a invasão do Iraque mas para criar o Patriot Act. Ele permitiu, entre outras medidas, que órgãos de segurança e de inteligência dos EUA interceptassem ligações telefônicas e e-mails de organizações e pessoas supostamente envolvidas com o terrorismo, sem necessidade de qualquer autorização da Justiça, sejam elas estrangeiras ou americanas. 

O ato de Bush abriu caminho significativo para que um controle informacional seja exercido de forma direta e ilimitada sobre todos. Criou, em suma, a base e a justificação para uma vigilância mundial, o que abre vias para um governo mundial. A mídia mundialista passou, nas últimas décadas, a tratar o terrorismo muçulmano como guerra contra um inimigo sem estado; sendo assim a guerra vira um empreendimento mundializado, a-territorial, ilimitado e global. Há uma inimigo comum a ser combatido e para ele é preciso tomar medidas comuns, o que exige um governo global. 

Sobre este governo global há duas tendências: uma que quer fundá-lo em órgãos globais como ONU, etc - linha esta que estaria mais atrelada ao partido democrata dos EUA, uma linha mais progressista e igualitária, favorável a abertura indiscriminada de fronteiras - e outra que quer que este governo global seja o Império Americano - linha atrelada aos neocons americanos, à extrema direita do partido republicano e ao Tea Party, que quer espalhar as liberdades e a cultura americana pelo mundo de forma a dominar, mental e economicamente, povos e civilizações. Ambas as tendências usam o mote do "terrorismo como problema global" para impor a sua agenda. No caso do Direita SP o que está em jogo é a promoção da linha republicana e neoconservadora. A insistência do grupo em falar de Israel e Trump é proposital. Basta lembrarmos do fato de que Trump - atual presidente dos EUA - é o presidente americano mais pró-Israel dos últimos tempos. 

Não podemos esquecer que Israel é bastião dos EUA no Oriente Médio, assim como boa parte da elite econômica americana é feita de judeus. Quando G. W. Bush chegou ao poder as empresas que mais doaram para sua campanha foram empresas de famílias judaicas como a Morgan Stanley,  Goldman Sachs,  Lehman Brothers e Bear Sterns, que ficaram entre os dez maiores doadores. Trump não é diferente: seu governo tem vários judeus em postos chave como podemos ver aqui: http://glorinhacohen.com.br/?p=34783. 

Portanto o objetivo do Direita SP é nada mais, nada menos, que acostumar o público brasileiro com a idéia de uma ameaça muçulmana generalizada e, junto a isso, fazer crer que a saída é nos identificarmos com a causa de Israel e com as pautas do partido republicano. 

A narrativa do Direita SP se mostra ainda mais absurda quando vemos que Zarif é dono de um bar onde bebida alcoólica é vendida, como verificamos aqui( http://www1.folha.uol.com.br/saopaulo/2016/11/1829396-imigrantes-trazem-novidades-gastronomicas-e-culturais-a-sao-paulo-veja-guia.shtml); lembremos que o Islam proíbe o consumo deste tipo de bebidas pelos adeptos, o que prova que Zarif está longe de ser um fundamentalista islâmico como o Direita SP tenta fazer parecer. 


O foco do grupo vem sendo, ultimamente, fazer manifestações contra a nova lei da imigração que, de fato, tem problemas, como a abertura de nossas fronteiras e o fim do critério de segurança nacional,  para selecionar quem entre e fica, existente na lei de imigração da época militar. Esta agenda abarca a linha democrata do globalismo; contra  tal linha o Direita SP nos quer fazer engolir o globalismo da Doutrina Monroe americanista falando dum perigo imediato de invasão muçulmana, criando assim uma identidade entre nossos problemas e os dos EUA. Na medida em que isso acontece passamos a ter nossa política pautada no ponto de vista americano e é isso, exatamente isto, que a nova direita quer.

 Sobre esta questão candente de imigração algumas coisas devem ser lembradas: 

1- Não há um problema migratório no Brasil. Temos apenas 0,9 % de imigrantes em nossa população, a maioria, regular. 

2- O número de muçulmanos no Brasil é de 0,5%, cerca de um milhão. Um número pequeno e que mostra que a curto ou médio prazo não há a mínima chance de nos islamizarmos. 

3- A maior parte dos migrantes que vem para cá são haitianos ou bolivianos; recentemente tivemos o aumento de venezuelanos entrando aqui. Estes imigrantes tiram empregos de trabalhadores brasileiros pois recebem menos, são mão de obra barata. Se a nova lei da imigração passar a ameaça real será aos empregos dos brasileiros em razão dos riscos duma invasão de hispano-americanos pobres de países vizinhos. ( http://exame.abril.com.br/brasil/o-panorama-da-imigracao-no-brasil/)

4- Não temos fronteiras com países islâmicos. Não estamos envolvidos em conflitos com países islâmicos que nos torne foco de ataques jihadistas. Não gozamos de um estado de bem estar social como Europa e América do Norte que atraia imigrantes. Não existe perigo muçulmano imediato aqui, portanto. 

Desta maneira fica claro que o grupo Direita SP é só mais um "cachorro doido" treinado pela nossa nova direita, para explorar o tema do perigo muçulmano a fim de que perigos reais - como a sujeição do pais a organismos financeiros internacionais, nosso subdesenvolvimento em razão de nossa sujeição ao capital americano e global, a expansão das seitas protestantes que destroem nossa malha religiosa e social católica, etc - não sejam conhecidos e compreendidos. Afinal, o que interessa a nova direita é que o Brasil vire colônia dos interesses de judeus, americanos e protestantes. Com a alegação do Direita SP sobre o suposto "primeiro atentado muçulmano terrorista no Brasil" fomos postos na lista de países que "sofrem" com o perigo muçulmano, desculpa usada para estender as garras da Nova Ordem Mundial.

 Estejamos atentos.  








17 comentários:

  1. Como se a ONU não promovesse o Islã.

    ResponderExcluir
  2. Catolicidade e Esquerda BR.
    Mais dois órgãos a favor da islamização brasileira, do Foro de São Paulo, da UnaSul e da ONU.
    Esquerda sendo esquerda. Nenhuma novidade.
    Mentem tão naturalmente como bebem água.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Argumentos que é bom nada não é? Fico esperando vocês provarem que eu estou errado e que houve mesmo terrorismo. Vocês não passam de palhaços a promover o lado direito do globalismo. Este blog é o único do Brasil que denuncia ambos os lados, o esquerdo e o destro.

      Excluir
  3. BLOG de um débil mental que não tem NADA a dizer, e se mete a dizer bobagens. Somente MAIS UM esquerdista fanatizado pelos anos de gramscismo cultural impetrado no BRASIL. Cago na tua cabeça, vc não merece mais do que isso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sr. Marcelo me forneça vosso endereço para que eu possa processá-lo. Muito obrigado pela atenção!

      Excluir
  4. Excelente blog. Ímpar no tange a quantidade e a qualidade das referências bibliográficas, bem como na profundidade das análises.

    Perfeita análise do ocorrido. Tanto acerca do conflito de rua provavelmente causado por uma "bomba junina", quanto pela característica mór da nova direita brasileira; uma direita que é completamente submissa ao liberalismo, é idiotizada por pensadores sofistas e cujo resultado final é ser uma cópia de quinta categoria do republicanismo judeu e calvinista dos Estados Unidos.

    Uma direita tão nociva quanto a esquerda pós-moderna, que reduz o debate a clichês e gritos teclados em caixa alta ("Foro de São Paulo"!), que acusa todo e qualquer discordante de esquerdista - por acreditar que o alfa e o ômega de toda a cadeia de problemas sejam apenas o marxismo.

    Uma direita que é o retrato do "Orvalho de Calai-vo".

    Parabéns ao blog!

    ResponderExcluir
  5. Muito bom. Os cães adestrados da direita americanista, sionista e olavete foram treinados a latir "esquerdista" para todos aqueles que discordam de sua ideologia globalista - do mesmo modo que esquerdistas latem o famoso "fascista". Cuidado, que já te chamam de agente da KGB. haha Temos de defender o catolicismo e a verdade à todo custo e lutar contra as hordas do demônio. Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A única coisa que este post NÃO fez: defender o catolicismo.
      Porém, este post foi displicentemente desonesto ao misturar, entre os palestinos, cristãos, sugerindo que os israelitas são intolerantes.
      Por fim, digo: o terror islâmico ainda é latente no Brasil, porque o terror dos bandidos pulsa intensamente na alma dos brasileiros que trabalham.

      Excluir
  6. Tomarás que nunca joguem uma bomba na tua cabeça pra saber o que é "histeria". De Católico você não tem nada, pede pra sair almofadinha.

    ResponderExcluir
  7. Discordo, e muito, do texto. Faz sentido algum.

    Primeiro, você, como o cristão que diz ser; deve-se opor ao Islamismo ferrenhamente. De mesma forma que você se opõe ao judaísmo ou a maçonaria. Que o Islamismo seja reduzido à pó. Bastas ver os crimes que os islões cometem contras os cristãos. Isso é desonestidade sua.

    Depois, usa a Folha de São Paulo - caralhos me fodam! - como fonte! Um veículo de notícias vicioso - torcido à esquerda - cujo objetivo é defender pautas progressistas, anti-cristãs. Daí, deixa-se enganar - ou se faz de canalha -, tecendo comentários distorcidos sobre o ocorrido.

    Sobre a lei - ela golpeia de morte a soberania brasileira. Autóctones (índios) - ou que assim se auto-declararem (pois - segundo o esquerdismo - raça é um construto social) - poderá vagar livremente entre-fronteiras. O narco-tráfico agradece. E quem controlará as fronteias serão ONGS - quer algo mais globalista do que isso?

    Sim, são poucos os muçulmanos em terras Tupiniquins, pois estão ocupados - no momento - de liquidarem a Europa. Na Europa, hoje sangrando ao preço do multiculturalismo, os muçulmanos também eram poucos. Mas com aprovação de leis como essa, permitindo a imigração massiva - sob o epíteto de "refugiados" -, essa minoria cresceu e hoje está esmagando a identidade cultural Europeia, como se pode bem ver. O cristianismo, já ameaçado por pensamentos progressistas, será liquidado sob a sharia.

    Os vermes islâmicos são norteados pela hégira e sharia, ou seja, pela imposição do totalitarismo islâmico por meio da imigração. Essa lei aprovada pelo Aloysio Nunes - que deveria ser enforcado por isso - acaba de vez em por o Brasil de quatro aos anseios globalistas. Justamente o oposto do que você apresenta, uma desculpa mequetrefe. Seu repúdio aos judeus justifica esse chupa-rolismo muçulmano; como se pudessem ser compatíveis ao cristianismo ou à essa nação.

    Não bastasse isso, você engole - como uma meretiz após prestados seus serviços - a porra de uma matéria da Folha de São Paulo. Esses malabares semânticos onde a vítima se torna o algoz. Até porque - perceba - os Islões quase não praticam terrorismo, certo? Foi a direita - esse bode'expiatório - que provocou, né? Poi zé, novamente perceba; isso foi um atentado terrorista islâmico. Ponto. O verme gringo Islão arremessou uma bomba caseira - do feitio desses parasitas.

    Enfim, essa lei é um erro gravíssimo; e não escamoteia os outros problemas que temos - como você quer fazer crer. É apenas jogar querosene na fogueira. E você está defendendo o globalismo.

    ResponderExcluir
  8. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  9. Cara, muito corajoso da sua parte expor isso. Parabenizo-o por
    sua postura, Rafael. Entretanto, não deixa de ser verdade que os ataques foram cometidos por islâmicos refugiados no Brasil. Se abrirmos as portas para estes loucos, sejam sírios, palestinos, libaneses e afins, viraremos uma nova Europa.
    Acho que as Forças Armadas têm mais que agir, sim, e fechar todas as embaixadas islâmicas, incluindo a embaixada palestina em Brasília, que servirá futuramente - ou até já está servindo - de entreposto de armas para um possível golpe islâmico em nosso país.

    Em tempo; aquele maluco do Hassan Zariff é odiado até mesmo pelos próprios refugiados palestinos residentes no Brasil, que o acusam de fazê-los trabalhar em condições análogas à escravidão, igual os bolivianos que "trabalham" para empresas de costura que prestam serviços a essas grandes lojas, tipo Leader e Marisa.

    Que Deus nos proteja e nos salve do Islã comuno-nazista!

    ResponderExcluir
  10. Só vou fazer uma adendo: Jair Bolsonaro é católico. Pesquisem os posts dos últimos meses, que ele confirma que é católico. Pesquisem primeiro antes de falarem.

    ResponderExcluir
  11. Se o Bolsonaro é católico, como você diz, então por que foi batizado em Israel, nas águas do Jordão, num batismo tipicamente judaico? É assim que os protestantes se batizam, seguindo os preceitos judaicos. Tem coisa muito errada!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não é como eu digo,mas ele mesmo confirmou isso pelo Facebook. Creio que aquilo ali foi um ato simbólico. Nada demais. Tanto é que posteriormente,este ano,em um post dele no face,que era sobre um determinado Padre,ele confirma que é católico. Basta pesquisar este post na página dele.

      Excluir